13/04/10

Ao fim de tanto tempo...


Já devia ter aprendido a não partilhar com o mundo tudo aquilo que me passa pelo espírito, mas infelizmente, e atendendo ao facto que não tenho sala de espera entre a cabeça e a boca e muito menos entre o coração e a boca, há sempre aquelas alturas em que me saem umas pérolas...
Uma dessas foi quando disse que o amor não existia..
Bonito não é?!
Embora não considere que devo uma explicação para esta afirmação, vou dá-la, única e exclusivamente porque me apetece!
Então é assim, para mim o amor não existe, existe uma sensação de encantamento pela outra pessoa, uma sensação de desejo por ela, mas acima de tudo existe uma grande amizade, um sentimento que faz com que se queira estar com ela.
Mas amor? O que raio é o amor?
Um aperto na barriga? Borboletas?
Faces coradas?
Isso são sintomas de indigestão, ou de ataque cardíaco, lamento!
Não quero com isto dizer que nunca me apaixonei, claro que já, mas acima de tudo sempre considerei os meus namorados grandes amigos, pessoas que eu queria ter na minha vida, que me apoiaram, e me deram carinho.
Quando disse que o amor não existia fui logo contrariada com a opinião de um amigo que achou que na realidade eu nunca tinha amado ninguém.
Pode ser..Estou preparada para retirar o que disse se algum dia me fizerem mudar de ideias.
Até lá, para mim o amor não existe!

1 comentário:

La niña de velasquez disse...

O amor não existe em estado puro, é uma construção pura e em muitos casos mera ilusão.