20/07/10

A fachada caiu...

Durante meses recusei-me a admitir o que se passava, até mesmo a mim mesma.
Fingi sempre que estava tudo bem, que nada de mal se passava, ria-me em público, fazia graças dizia sempre que estava tudo bem, mas não estava.
Os ataques de pânico foram-se tornando cada vez mais frequentes, a sensação de ter um lutador de sumo em cima da garganta 24h também.
Há muito tempo que não estava tudo bem, que não estava nada bem.
O saco foi enchendo, enchendo até que rebentou e eu pela primeira vez fui obrigada a admitir que não aguento mais. Que a minha cabeça não está bem e que eu preciso de parar, e não fazer nada.
Pela primeira vez admiti que não vou entregar a tese de mestrado, porque não sou capaz, porque não aguento mais, porque não dá mais, acabou, queimei os cartuxos todos.
Dizem que tenho um esgotamento, que tenho que dormir muito, parar e não pensar em pressões.
Dizem que o stress foi demais para mim, só arranjo coisas parvas!
E agora sinto que  desiludi toda a gente e principalmente a mim mesma e isso é o que doi mais!
Mas não dá mais, acabaram-se as happy Masks, o fingir que tenho algum prazer em estar com as pessoas, tudo, acabou!
Só quero que me deixem em paz...

2 comentários:

La niña de velasquez disse...

Junta-te a mim. O diagnóstico é o mesmo. O pânico imenso, o desespero, o cansaço, o não conseguir pensar... Também estou esgotada, também preciso de parar, tenho passado dias e noites horriveis. Não aguento e não sei em que buraco escuro me posso esconder.

Eu estou sempre aqui, para tudo o que precises, tudo mesmo. Se puderes parar, para mesmo, não deites fora o teu cérebro, é demasiado mau.
Adoro-te

Joana disse...

Welcome to my world 3 years ago.
Cuida de ti miuda e se precisares de alguma coisa já sabes.